Richard Câmara. Artista visual (arquitecto, desenhador de Banda Desenhada, ilustrador e professor).

www.richardcamara.blogspot.com

IMAGENS
 

Todos os dias desenho porque nisso consiste o meu trabalho. E por isso também, mantenho vários diários gráficos em simultâneo. Vistos em conjunto, podem ser descritos simplesmente como cadernos onde desenho de uma maneira sistemática. Mas cada qual tem características que o tornam único entre os restantes. 

Os feitios variam consoante o formato, tipo de papel, cor ou encadernação. Às vezes, quero-os tão específicos que chego mesmo a pedi-los feitos à medida, num encadernador. Muitos foram-me oferecidos por amigos e familiares. Muitos outros foram comprados nas papelarias que vou encontrando quando viajo. 

Antes de começar a desenhar em qualquer um deles, gosto de definir um tema e ou uma técnica que exploro até ao limite. Até à última folha. No entanto, como não há regra sem excepção, noutros vou trabalhando ao sabor do momento e dos materiais que tenho disponíveis.  

Nem todos eles se aventuram fora do meu estúdio, mas os mais irrequietos companheiros de viagem já se habituaram a andar no bolso ou na mochila.

Foi o caso deste diário gráfico que me acompanhou durante uma curta estadia na China. Comprei-o numa vulgar papelaria de bairro em Xangai e povoei as suas espessas folhas de papel alvo com desenhos feitos com tinta negra e um pauzinho de comida chinesa.
Era uma técnica nova e que não dominava, mas que me parecia fazer sentido experimentar naquele momento. Tentar desenhar com um pauzinho molhado na tinta da china implica que o traço está em constante mutação e assumir o acaso. Porque felizmente não há erros num diário gráfico, só acidentes de percurso. E com todos eles se aprende sempre algo de novo. 

Todos os dias desenho porque nisso consiste o meu trabalho. E também porque tenho os meus diários gráficos.