Ana Porto. Portugal. Artista Plástica

IMAGENS
 
Tenho vindo a passar uma temporada com alguns sonetos escolhidos da poesia portuguesa. Trata-se portanto de uma viagem interior. De apropriação de um universo alheio, que acredito ser o do poeta, mas sobretudo de uma viagem por um meu universo que se intromete nas suas palavras. Este diário é um registo dessa viagem. Um registo feito de letras; sobre letras; são "palavras recompostas";são "polaroides" desastradas de quem quer fotografar dentro de si o reflexo dos outros. Dos companheiros que escolhi para esta viagem. Mas é o poema que nos faz chegar. E cada poema é uma etapa onde pernoito porque este diário tem sido executado quase sempre durante a noite. De algum modo é a continuação de um trabalho anterior (a preto e branco)e com a introdução da cor é também uma ligação aos trabalhos de pintura. Sobretudo, e mais uma vez naquilo que faço, é um diálogo "esgrimido" entre o grafismo da letra e do desenho, entre a escrita e a pintura. Utilizei canetas e esferográfica sobre as folhas de um Moleskine.