Camila Reis. 1986. Estudante da Faculdade de Letras de Lisboa

IMAGENS
 

Desenho quando me intriga, me fascina ou quando simplesmente (por alguma razão que não conheço) me apetece desenhar. E registo a imagem que tenho à minha frente, o ambiente que sinto à minha volta ou outras imagens que surjam na minha cabeça inspiradas pelas que vejo. Posso parar subitamente no passeio e, de forma rápida, registar um momento, uma paisagem ou sentar-me e calmamente apontar em desenho pormenores das pessoas, dos lugares, das suas cores e até de fantasias que crio a partir de tudo isto.

A prática do desenho exige atenção de todos os sentidos, é quase como um ritual ou uma relação espiritual que se cria (temporariamente ou não) com o espaço e o tempo envolventes. É um momento de cumplicidade com o mundo e os mais variados universos, em que nos focamos nas crianças que brincam, nas conversas ou nos gestos de alguém que passa ou numa folha diferente das outras da mesma árvore.

O diário gráfico testemunha todos os momentos em que desenho e oferece-me a possibilidade de guardar para mim as sensações que conheci e que poderei sempre recordar com carinho e partilhar o meu olhar com os outros que não viveram os meus instantes nesses lugares.